Segundo Bernucci et al. (2010), para a maioria das aplicações rodoviárias, os asfaltos convencionais têm bom comportamento, satisfazendo plenamente os requisitos necessários para o desempenho adequado das misturas asfálticas sob o tráfego e sob as condições climáticas. Porém, para condições de volume de veículos comerciais e peso por eixo crescente, ano a ano, em rodovias especiais ou nos aeroportos, em corredores de tráfego pesado canalizado e para condições adversas de clima, com grandes diferenças térmicas entre inverno e verão, tem sido cada vez mais necessário o uso de modificadores das propriedades dos asfaltos.


Dentre os diversos modificadores de asfaltos já pesquisados, destacam-se os polímeros elastoméricos e a borracha de pneu inservíveis moída.


Os asfaltos modificados por polímeros são produzidos a partir da dispersão de polímeros elastoméricos e aditivos químicos em uma base asfáltica, em equipamento e condições de processo controlados, alterando as características físico-químicas do asfalto. Segundo REIS (2002), o uso de asfaltos modificados por polímeros assegura a melhoria das condições das estradas, diminuindo o número de acidentes rodoviários em cerca de 50%, reduzindo o custo de manutenção para cerca de 38% e aumentando a vida útil dos veículos, além de inúmeros outros fatores correlatos.


Já os asfaltos modificados por borracha de pneu moída são produzidos incorporando a borracha de pneu inservíveis finamente dividida, em granulometria adequada, em uma base asfáltica adequada. Esta é uma forma de trazer benefícios ao ligante asfáltico, e ao mesmo tempo reduzir problemas ambientais. Os pneus inservíveis são problemas para a sociedade e sua utilização em pavimentação tem sido uma das técnicas mais utilizadas em todo omundo porque se emprega grande volume desse resíduo com melhorias para as misturas asfálticas sob vários aspectos.